“A surpresa pode aparecer em qualquer situação, hora, tempo ou lugar, mas pode se tornar decepcionante diante á suas expectativas.”

 

RISING SUN – RESIDÊNCIA BROOKS – QUARTO – MANHÃ

Ava se enrola á toalha e vai ao banheiro, sua expressão é de insegurança e medo, ter que ver o espelho quebrado com um recado escrito com o quê parece ser sangue, não é nada bom. Ela entra e ao olhar para o espelho, o mesmo parece está normal. As palavras escritas por sangue e a rachadura no dia anterior, desapareceram.

Ava: Como isso é possível?

Minutos seguintes… Ela desce a escada e Molly a ver.

Molly: Algum problema, Querida?

Ava: Tia, eu… Ontem entrei ao meu banheiro e vi o meu espelho quebrado com algumas palavras escritas e parecia ser sangue. Só que… Ao entrar novamente agora de manhã, o sangue e as palavras desapareceram, assim como a rachadura. O quê está acontecendo comigo? Posso… Está enlouquecendo?

Molly: Oh… Não, Ava. Pode ser apenas… Você olhou direito?

Ava: Tia, eu não ia imaginar tudo isso. Não acordada.

Ela e Molly escutam uma buzina de carro e Ava fala:

Ava: A Elena chegou, tenho que ir. Depois falamos sobre isso! Até mais tarde.

Molly: Até. Tenha um bom dia.

Ava: Igualmente.

Ela vai até á cozinha e pega uma maçã. Depois corre e pega sua mochila sobre o sofá e sai.  Na entrada de sua casa, Elena sorrir e pergunta:

Elena: Demorou por quê?

Ava: Nada. Quanta animação… Nunca te vi animada assim para á volta às aulas.

Elena: Sinto que esse ano será diferente. Muitos acontecimentos surpreendentes estão por vir, eu sinto isso.

Ava: Por incrível que pareça… Eu também.

Ava entra ao carro e Elena acelera em partida.

 

RISING SUN – HIGH SCHOOL MINCKLEY – ENTRADA – MANHÃ

Elena estaciona o carro e Ava desce. Ela coloca a bolsa sobre o ombro esquerdo e Elena desce em seguida:

Elena: Nunca vi essa escola tão cheia.

Ava: RISING SUN, não é uma cidade tão movimentada.

Elena: Você quer dizer, não mais. Amiga, olha em volta.

Ava: Tem razão. Nunca esteve tão cheia.

Elena: Eu disse que serão acontecimentos surpreendentes.

Ava: É eu lembro. E eu concordei, agora vamos.

As duas seguem até á entrada principal. Ava e Elena passam por duas pessoas. David e Jack se viram e olha para todos os lados:

Jack: Sentiu isso?

David: Tanto quanto você.

Jack: Não era uma energia comum.

David: Percebi, mas também não era magia como á nossa. Era mais poderosa.

Jack: Vamos procurar as meninas.

Os dois saem correndo.

 

RISING SUN – RESIDÊNCIA BROOKS – SALA – MANHÃ

Molly olha a rua pelas janelas e fecha as mesmas e em seguida cobre-as com a cortina.

Molly: Preciso evitar algo pior.

Ela pega o celular e disca alguns números:

[Celular – Ligação]

Molly: Alô, Charlie?

Charlie: Qual o problema, Molly?

Molly: Não tenho tempo de explicar, só me diga que está livre para mudanças?

Charlie: Como assim?

Molly: Quero que venha para RISING SUN, rápido! Preciso da sua ajuda.

Charlie: Molly, você precisa me dizer o quê está acontecendo.

Molly: Sabe sobre a Ava, não sabe?

Charlie: Quem não sabe?

Molly: Ótimo! Pois ela corre perigo e preciso que você venha nos ajudar.

Charlie: Nunca pensei em você me pedindo ajuda.

Molly: Você me deve isso. Por favor, não discuta.

Charlie: Pego o vôo mais rápido que tiver.

Molly: Mande-me um SMS com o vôo e horário, te pego no aeroporto.

Charlie: OK. Até mais.

Molly: Seja rápido!

Ela desliga e respira um pouco apreensiva.

 

RISING SUN – HIGH SCHOOL MINCKLEY – CORREDOR – MANHÃ

Ava tenta á todo custo abrir o seu armário e não consegue. Elena pega seus livros e a olha:

Elena: Algum problema?

Ava: Terei que ir á direção, meu armário está com problemas. Vai indo na frente que depois vou para a sala.

Elena: Ok. Qualquer problema manda um SMS.

Ava: Tudo bem.

Ela vai para a sala e o sinal toca, o corredor começa a ficar vazio. Ava tenta mais uma vez abrir seu armário e sem sucesso. Ela respira e escuta á porta principal se abrir. David, Jack, Gina e Lindsay entram e ela escuta eles falarem:

Jack: Não temos escolha.

Gina: Nunca temos.

David: Precisamos ir, a aula começou.

Lindsay: Temos que conversar sobre isso agora, David.

David: Não é o momento e nem o lugar.

 Gina olha para Ava e pergunta:

Gina: O quê tanto nos olha?

Jack: Gina, para! Algum problema? Podemos ajudar?

Ava: Ah… Não estou conseguindo abrir meu armário, terei que ir á direção…

David: Tudo bem. O Jack abre para você.

Jack e David se olham e ele vai até o armário. David puxa as garotas e diz:

David: Estamos na sala.

Jack olha para eles e os ver indo embora.

Ava: Não sei o quê aconteceu que isso emperrou.

Jack: Tudo bem, eu acho que consigo.

Ele olha para Ava e quanto mais próximo fica, mas estranho acha. As lâmpadas do corredor piscam aleatoriamente:

Ava: Viu isso?

Jack: Sim… Geradores ruins.

Ava: Provável.

Jack: Incrível.

Ava: Disse algo?

Jack: Não. Venha, deixe eu lhe mostrar como se abre.

Jack finge girar a fechadura, mas apenas toca e o armário se abre.

Ava: Incrível. Parece que você entende de armários!

Jack: Diga-se que um pouco.

Ava: Valeu.

Ambos sorriem. Ela pega alguns materiais e ele fica surpreso e encarando-a.

Ava: Algum problema?

Jack: Você tem olhos lindos.

Ava fica tão sem graça que seus livros acabam caindo. Jack se ajoelha para ajudá-la e suas mãos se tocam. Os livros balançam e flutuam um pouco, Ava não tira os olhos de Jack e ele não para de olhá-la também. O garoto ver os livros flutuarem quando desvia o olhar, puxa sua mão, e os livros caem e ele levanta disfarçando:

Jack: É… Qual a sua turma?

Ava: Segundo ano.

Jack: Ótimo, estamos na mesma turma. Vejo você na sala!

Ava: Ok.

Jack sai atordoado e nervoso, Ava o olha seguindo pelo corredor e sorrir.

MINUTOS DEPOIS…

 

RISING SUN – HISGH SCHOOL MINCKLEY – PÁTIO – MANHÃ

Jack ver seus amigos reunidos e corre até eles:

David: O quê queria dizer hoje mais cedo? Eu tenho treino ainda.

Gina: E eu vou ao shopping, fala logo.

Lindsay: Calem-se e ele falará.

Jack: Obrigado, Lindsay.

Jack olha em volta e continua:

Jack: Podem não acreditar… Mas eu… Acho que encontrei a magia que sentimos mais cedo.

David: Jura?

Gina: Está brincando.

Jack: Não! Eu acredito que seja á quinta bruxa da liga.

Lindsay: Está falando que á possível última bruxa, a que completará nossa liga e que aumentará nossas forças, você a encontrou mesmo?

Jack: Sim.

Gina: Quem é? É um garoto ou uma garota? Se for garoto, é gostoso?

Jack: Não Gina, não é garoto.

Lindsay: Ótimo, é outra menina.

Jack: Lembram da garota que estava com o armário ruim mais cedo?

Gina: Não me diga que…

Jack: Ela mesma.

David: Como acredita que isso seja possível.

Jack: Quando me aproximei, senti uma força como um ímã é atraído por metal, é algo sem explicação. Foi à mesma sensação de quando nos conhecemos. Lembram?

Lindsay: Nunca esquecerei.

Jack: Então… Foi parecida, só que bem mais forte.

David olha para os amigos e fala:

David: Já sei o que pode nos dizer se ela é mesma a garota certa.

Jack: O quê?

David: Estão com seus cristais?

Jack: Não vou andar com meu cristal por aí, sabe o quê acontece se pegarem.

Lindsay: Também não estou com o meu. Aquilo é perigoso.

David: Alguém precisa pegar.

Gina: Não precisa…

Gina abre a bolsa e pega de uma caixa de madeira um cristal com cinco pontas. Ele é transparente quase um pouco azul. Ela o segura e das cinco pontas, quatro brilham.

David: Ótimo!

Jack: Vai levar o cristal até ela e se a quinta ponta brilhar saberá que ela é a bruxa?

David: Sim. Foi assim que descobrimos uns aos outros.

Jack: Tudo bem, mas como vão chamar a atenção dela?

David olha para Gina e a garota olha para Jack.

Gina: Jura que eu vou chamá-la?

David: Não conheço ninguém melhor.

Gina: Ótimo.

Ela se vira e David fala.

David: Leve-a á quadra em dois minutos.

Gina: Tudo bem.

Gina segue seu caminho.

 

HIGH SCHOOL MINCKLEY – REFEITÓRIO – MANHÃ

Ava e Elena se sentam em uma das mesas vazias e comem.

Ava: Juro, primeiro dia de aula e já odiei o assunto.

Elena: Que assunto?

Ava: De matemática, Elena.

Elena: Teve matemática hoje?

Ava: Elena, onde você esteve durante á aula?

Elena: Eu… Estava na sala.

Ava: Sabe ao menos quem são os professores deste ano?

Elena: Claro.

Ava: Cite um.

Elena: Tem… Aquele… Que quando tocou e alguns alunos saíram, ele pediu licença e entrou. Ele era estranho para um professor, mas parecia legal.

Ava: Quem?

Elena: Parece que não sou eu que sou a desligada… Aquele, amiga. O de roupa cinza que… Até carregava uma vassoura.

Ava pensa alguns segundos e fala:

Ava: Elena, aquele não era um professor, era o zelador.

Elena: Ah… Tem razão, não me lembro de nada.

Ava: Você é louca.

Elena: Diz isso sempre.

Ava: Porque é a verdade.

Gina se aproxima e fala.

Gina: Oi. Sou Gina Thompson. Prazer e blábláblá. Lembra do Jack?

Ava: Sim… O garoto que me…

Gina: É… Ajudou á abrir seu armário. Pode vir comigo, precisamos te mostrar algo.

Ava: Posso… Sim.

Ava levanta e Elena fala encarando Gina:

Elena: Vou com ela.

Gina: Não, não vai.

Ava: Mas…

Gina aperta os punhos e diz concentrada em Elena.

Gina: Você quer ficar e continuar comendo, não é mesmo?

Elena vai se sentado estranha e diz:

Elena: Sim. Comerei bastante.

Ava: Tudo bem! Volto depois.

Gina e Ava saem e Elena parece sair de uma hipnose. Ava se aproxima de Gina e a garota a olha surpresa.

 

RISING SUN – HIGH SCHOOL M – QUADRA – QUASE TARDE

Gina abre o portão da quadra e Ava entra lentamente.

Ava: O que fazemos aqui?

Gina: Cale-se e descobrirá.

Ava: Nossa! Você é bem…

Gina: Sincera? É uma das minhas poucas qualidades.

Ava: Não diga!

Elas vão até o meio da quadra e os outros as vêem.

Jack: Oi.

Ava: Oi, há… Não nos apresentamos. Ela eu conheço, Gina um doce de pessoa.

Jack: Ela é sim, um doce mesmo. Mas tudo bem, eu sou o Jackson Silvério, mas prefiro Jack. Ele é o David Summer e ela a…

Lindsay: Lindsay Lancaster é um prazer.

Ava: Igualmente, sou a Ava Brooks.

Todos se surpreendem.

Jack: Brooks?

Ava: Sim, conhecem?

Os quatro se olham e David fala:

David: Ava, não se surpreenda, é só para esclarecer, mas depois que disse seu nome… Acho que já sei a resposta.

Ava: Como?

Jack segura o Cristal e vai se aproximando de Ava:

Ava: O quê é isso em sua mão?

Jack: Fique tranqüila, não te faremos nada.

Jack coloca o cristal á frente dela na altura de seu coração e depois o solta. O cristal flutua e á quinta e última ponta brilha, a luz fica tão forte que preenche o cristal por inteiro. Os quatro se olham e Ava fica impressionada.

Ava: O quê está acontecendo?

Jack: Eu tinha razão.

Gina: Devo admitir, é impressionante.

Lindsay: Ela é mesma á quinta bruxa.

Ava: Sou o quê?

Jack segura o cristal e ele se apaga, apenas as pontas continuam acesas.

Jack: Ava, eu sei que será difícil, mas precisa saber que você… É…

Gina: Uma bruxa. Totalmente bruxa. Pura bruxa e principalmente, não queria admitir, mas você é… Uma bruxa poderosa. Entendeu agora ou prefere que desenhemos?

Ava: Estão loucos! Bruxa…?

Ava fica perplexa e os outros a encaram. Ela olha para os quatros adolescentes em sua frente e continua em choque.

Lindsay: Sabemos… Não é fácil descobrir que é uma bruxa.

Gina: Para mim foi, eu gostei.

David: Cala essa boca, Gina.

Jack: Está tudo bem, Ava?

Ava respira ofegante e olha para Jack:

Ava: Estou tentando digerir o que acabaram de me falar.

Jack: É difícil de entender e será ainda mais depois que você praticar.

Ava: Praticar?

Gina: É tolinha. Seus poderes, quando você começar á usá-los.

Ava: Como podem saber que sou isso? É impossível, bruxas não existem.

David: Existe sim, Ava. Não só bruxas, como todo o mal das histórias que já ouvimos falar.

Ava: Mal?

Jack: Você não é apenas uma bruxa, Ava.

Ava: Do que estão falando? Podem começar do início?

Jack: Vamos falar sobre tudo, mas não aqui e nem agora. Nós temos um lugar só nosso. Um esconderijo na floresta. Levaremos você lá.

Ava: Agora?

David: Não. À noite, depois do jantar. Vá até á ponte da cidade.

Ava: Vou aparecer e saibam que se isso for uma brincadeira de mau gosto, juro que chamo a polícia.

Jack: Acredite Ava… Somos as pessoas em quem mais deve confiar.

 As palavras de Jack fazem Ava se arrepiar. Ela o encara e depois sai.

 

RISING SUN – ESTACIONAMENTO DA ESCOLA – TARDE

Ava corre e ver Elena parada próxima ao carro dela.

Elena: Onde estava?

Ava: Resolvendo algumas coisas, podemos ir?

Elena: Sim. Mas vamos passar pela loja da mamãe, ela disse que precisa falar comigo.

Ava: Tudo bem.

Elena entra no carro e Ava logo em seguida.

Elena: Você parece nervosa.

Ava: Não estou. É apenas… Cansaço.

Elena: Tudo bem. Têm uma coisa que nunca te vi dizer, é que estava cansada. Mas se não quer falar… Entendo.

Ava: Explico depois. Vamos!

Elena: Aperta o cinto.

Elena sorrir e acelera, fazendo o carro sair em disparada.

  HORAS MAIS TARDE…

 

RISING SUN – RESIDÊNCIA BROOKS – SALA – NOITE

Ava desce á escada colocando o casaco e Molly á ver:

Molly: Vai sair?

Ava: Não agora.

Molly: Ótimo. Fiz um jantar para nós e também… Quero que conheça um amigo que deve chegar em breve. Ele ficará conosco, acha isso um problema?

Ava: De jeito nenhum. Seu amigo pode ficar o tempo que quiser a casa também é sua.

Molly: Obrigada, linda. Há… Quase ia esquecendo.

Molly vai até a mesinha no centro da sala e pega uma pequena caixa rosa com um laço azul.

Molly: Comprei um presente.

Ava: Para mim?

Molly: Com certeza.

Ava: Obrigada…

Ava abre a caixa bem curiosa e ver uma chave de carro.

Ava: É o quê estou pensando?

Molly: Dê uma olhada lá fora.

Ava corre e abre à porta, ela ver um carro prata novo em frente á sua casa e sorrir para a tia.

Ava: Obrigada mais uma vez.

Ela a abraça e Molly sorrir.

Molly: Soube que fez aulas de direção antes Da…

Ava: É, fiz sim. O papai ia comprar um carro para mim, mas não teve tempo.

Molly: Agora você tem um. Só peço que dirija com cuidado.

Ava: Deixa comigo!

Molly: Ótimo.

Elas escutam uma batida na porta e olham para a mesma.

Charlie: Espero não atrapalhar…

Molly: Charlie?

Charlie: Surpresa.

Ava olha para o homem que sorrir para ela. Molly o encara forçando um sorriso.

 

RISING SUN – RESIDÊNCIA LANCASTER – SALA – NOITE

Lindsay desce á escada e ver seus amigos ao sofá.

Lindsay: Chegaram cedo.

Gina: Cedo?

Jack: Sua empregada nos deixou entrar.

David: Onde está a sua mãe?

Lindsay: Trabalhando.

Gina: Nunca comentamos, mas… Seus pais sabem sobre vocês?

Lindsay: Não. A mamãe não ia entender, acredito que meus poderes vêm do meu pai, se fosse da minha mãe, acho que ela falaria comigo.

Jack: Meu pai não fala sobre isso, já comentei com ele sobre coisas estranhas e ele fica extremamente nervoso.

David: Acontece o mesmo com o meu tio. Vocês sabem… Meus pais…

Lindsay: Sabemos sim, David. E sentimos por isso. Antes de irmos, querem jantar?

Todos se olham.

Jack: Seria ótimo.

Lindsay: Vamos para a mesa.

Gina: Qual o jantar? Não pode ser comida gordurosa.

Jack: Gina!

 

RISING SUN – RESIDÊNCIA BROOKS – SALA DE JANTAR – NOITE

Molly leva os pratos á mesa e Charlie abre um vinho.

Charlie: Ava Brooks, você é idêntica á sua mãe.

Ava: Obrigada! Você a conhecia?

Charlie: Fui o melhor amigo dela no colegial, até seu pai chegar…

Ava: Você foi apaixonado por ela?

Charlie sorrir e Molly o encara.

Charlie: Não tanto quanto seu pai por ela, você é a prova que eles deram certo, não é mesmo?

Ava: Fato.

Molly: Vamos jantar?

Charlie: Ótimo! Estou faminto.

Ava puxa sua cadeira e senta. Charlie serve o vinho e Molly á comida. Ava os olha e pergunta:

Ava: Tia Molly, como eram a mamãe e o papai no passado?

Molly: Oh… Sua mãe? Você é uma copia dela, sempre doce e gentil. A Ashley tinha uma personalidade… Magnífica. Seus avôs tinham bastante orgulho dela. E o seu pai… Não o conhecia muito bem, mas no colégio, lembro-me que era popular. E foi com a popularidade que ele e sua mãe se conheceram.

Charlie: Eu estava lá e vi isso de perto.

Ava: E como foi a morte dela?

Molly deixa a taça com seu vinho cair e Ava estranha.

Molly: Desculpem! Vou… Pegar algo para limpar.

Molly sai e Charlie fala encarando a garota.

Charlie: Ela não gosta que falem sobre a morte de sua mãe. Mas foi logo quando você nasceu. Os médicos disseram que foi o parto demorado, ela perdeu bastante sangue e… Não resistiu.

Ava: O papai me disse a mesma coisa.

Ava levanta e fala para Charlie.

Ava: Irei sair com minha melhor amiga, avise á tia Molly que volto cedo.

Charlie: Ok. Divirta-se.

Ava: Boa Noite!

Ela sai e Molly volta com um pano molhado.

Molly: Onde ela foi?

Charlie: Sair com a amiga. Sabe Molly… Você disse a ela que era uma copia da Ashley, mas na verdade, ela é uma copia de você.

Molly: Não seja ridículo. Você não entende que ela pode ser pega, a Ava corre perigo.

Charlie: Conte á ela sobre quem ela é.

Molly: Não!

Charlie: Ela vai descobrir, sabe que a liga pode encontrá-la primeiro.

Molly: Acredito que nesta cidade, só os anciões e alguns bruxos menores ainda vivem.

Charlie: Mas não existe nada que impeça o mal chegar.

Molly: E você quer que isso aconteça? Por culpa sua não poderei lutar…

Charlie: Ainda me culpando pelo que houve. Não ver que foi necessário?

Molly: A necessidade foi sobreviver e não trair.

Charlie: Acredite Molly. A traição às vezes vem de quem nós nem imaginamos e essas são as piores traições.

Charlie levanta e sai. Molly o olha com insegurança.

 

RISING SUN – PONTE DA CIDADE – NOITE

Ava para o seu carro novo á alguns metros da ponte e desce. Ela vai caminhando lentamente até a ponte onde Jack e os outros a esperam.

Jack: Muito bom ver que você veio.

Ava: Eu disse que vinha, não foi?

Jack: Sim. Prova que tem palavra.

David: Ótimo! Podemos ir?

Ava: Há… Meu carro tem problema deixá-lo ali?

Gina: Se não quiser perdê-lo, estacione-o mais escondido.

Ava: Obrigada, doce Gina.

Gina: Porque você não vai…

Jack: Chega!

David: Siga-nos com o carro, pode deixá-lo próximo ao esconderijo.

Ava: Ok.

Ava volta ao carro e segue os adolescentes.

 

RISING SUN – BAR SUN – BALCÃO – NOITE

Charlie chega ao balcão e pede uma bebida. Ele é servido e quando bebe o primeiro gole, alguém toca em seu ombro.

Charlie: Veio desejar-me boas vindas, Christian?

Christian: Não! Vim relembrar o caminho da saída.

Charlie: Desde quando á cidade tornou-se sua?

Christian: Charlie, não se faça de desentendido. Fora!

Charlie: Não vou embora, Chris.

Christian: Então fique longe de encrencas. Sabe o quê aconteceu da última vez.

Charlie: Isso já faz anos e ninguém esquece.

Christian: O quê você fez, nunca será esquecido. Deixou marcas.

Charlie: Eu não queria…

Christian: Ora, vai tentar mentir para mim?

Charlie: Eu não sou o vilão, Chris. Existe mais do que podemos imaginar.

Christian: Meu aviso é que fique longe de mim… E de meu sobrinho.

Charlie: Não sei nem quem é seu sobrinho.

Christian: Está avisado.

Christian encara Charlie e em seguida sai do bar. Charlie bebe mais um gole e fica pensativo.

 

RISING SUN – FLORESTA – ESCONDERIJO – NOITE

Ava tropeça em alguns galhos e Jack a segura.

Ava: Que lugar sinistro.

David: Precisamos de privacidade.

Jack: Esse lugar é sagrado para nós bruxos e bruxas.

Ava: Não imagino me intitulando uma bruxa.

Jack: Você vai entender um dia.

Ava: Eu espero que sim. Mas… Onde está o esconderijo?

David sorrir e olha para seus pés.

Ava: Como? O esconderijo é… Aqui embaixo?

Jack: Isso mesmo.

Ava: Não vou. Como não vou saber que depois que eu entrar, vocês não vão me trancar?

Gina: Vamos primeiro então, desconfiada.

Ava: Ótimo!

Gina afasta David e ver a passagem. Parece ser uma pequena gruta com uma porta de madeira como segurança. Gina desce alguns degraus e em seguida abre á porta. Ava se aproxima e ver os outros entrarem. O lugar é bastante estranho.

Ava: Espera Jack.

Jack: O quê?

Ava: Vou à sua frente.

Jack: Tudo bem.

Ava passa á frente de Jack e começa a descer os degraus, ela atravessa a porta e desce mais alguns degraus, chegando ao piso, ela fica surpresa. O lugar parece um quarto enorme abandonado. Velas e ervas estão espalhadas por todo o lugar. Teias de aranha também tomam conta de algumas paredes e os sofás e cadeiras, estão bastante velhos.

Ava: Nossa! Esse lugar… Precisa de uma faxina.

Gina: Somos bruxas, não princesas.

Ava: Boa resposta.

Lindsay: Bem vinda, Ava. Esse é o nosso esconderijo, onde praticamos magia e onde nos reunimos.

Ava: Obrigada!

David puxa um banco e se senta.

David: Bom, Ava. O que precisamos mostrar para entender que é uma bruxa?

Ava: Comecem… Mostrem-me um pouco de bruxaria.

Gina: Essa é a melhor parte.

Gina pega um pouco de água em um recipiente próximo á mesa e joga o líquido no chão. Ela fixa seu olhar para o mesmo e faz pegar fogo.

Ava: Oh… Impossível!

Lindsay: Acredita um pouco, agora?

Ava: Não. Não um pouco. Muito. Isso é… Loucura!

Jack: Ava, relaxe!

Ava: Ok. Mas como sou bruxa? Como nós somos bruxas e bruxos?

David: Pelas nossas famílias. A magia vem de geração em geração, desde os tempos antigos.

Ava: Você quer dizer que… Sou bruxa por conta dos meus pais.

Lindsay: Alguns pelos dois, outros por apenas um.

Jack: Mas depois da devastação, é difícil encontrar bruxos de gerações duplas. Ou seja, pelos dois pais.

Ava: Sinto muito! Meus pais não eram bruxos. Nem minha mãe e nem meu pai. Enganaram-se.

Ava dá as costas e tenta sair. Todos se olham e Jack grita:

Jack: Sua mãe era com certeza, Ava.

Ava para e olha para ele:

Ava: Minha mãe?

Jack: Sim. Ashley Brooks era sim uma bruxa.

Ava: Como sabe? E quem te falou o nome dela?

Jack: Podemos te dizer… Mas precisa entender de uma vez por todas que você é uma Bruxa!

Ava o olha e balança a cabeça em afirmação.

—-FIM DO EPISÓDIO—-

Realização:

UNBROKEN PRODUCTIONS

Criado e Escrito por:

MARCOS HENRIQUE

UNBROKEN PRODUCTIONS ORIGINAL SERIES

2015- Story of Witches – Todos os direitos reservados!