“Os seus acertos podem formar o seu caráter, mas o errar é quem o faz Humano”.

 

CENA 01 – INT – RISING SUN – HOSP. DE RS – CORREDOR – MANHÃ

 

Ava escuta alguns passos e olha para o inicio do corredor, quando Jack, David e Gina se aproximam correndo.

 

Jack[Ofegante] Qual a emergência?

Gina – Deve ser algo importante, pois eu estava dormindo quando me ligou.

David[Impaciente] Ava, fala alguma coisa!

 

Ava olha para os amigos.

 

Ava – Aconteceu algo com os anciões e eu acredito que tenha magia envolvida.

David – O que aconteceu?

Ava – A história é longa, mas vou tentar resumir. Ontem quando o Jack me deixou em casa, eu fui para o meu quarto e quando entrei, o meu pai estava lá, não vivo, mas era o fantasma dele. Depois de algumas conversas, eu decidi ir à casa da Dorothea e quando contei sobre o meu pai, ela disse que pode ter algo relacionado com as bruxas que possuiu a Elena. Quando foram invocadas e passaram para esse mundo, alguma passagem ficou aberta.

Gina – Ok, e qual a coisa extremamente estranha nisso, se nós já sabemos?

Ava – Não acabei. Foi quando a Dorothea falou em ter que fazer algo em relação à passagem que tudo começou. Ela ficou sufocada e depois, todos os outros anciões começaram a ficar igual e em seguida, todos caíram inconscientes e gelados, pareciam mortos.

 

Gina olha para os amigos.

 

Gina – É evidente. Foram as bruxas.

Ava – Foi isso que deduzi. Nenhum bruxo ou bruxa da cidade tem poder o suficiente para enfeitiçar os anciões.

Gina – Exatamente! Apenas as bruxas demoníacas e você.

Ava – Eu sei, mas eu obvio que não fiz nada.

Gina[Olhando ao redor] Não posso afirmar nada, eu não vi.

Ava – Está me acusando de alguma coisa?

Gina – Não. Apenas citando o meu ponto de vista.

David – Chega de brigas. É simples o que vamos fazer.

Ava – E o que é?

David – Os anciões estão nos quartos já?

Ava – Sim. O médico disse que fizeram exames, mas não apontou nada de diferente, eles parecem estar em coma e só. O corredor dos quartos em que se localizam são o da direita.

David – Cada um de nós vai pegar fios de cabelos de cada ancião e um pouco do sangue. Entenderam?

Todos – Sim.

David – Vamos!

Ava – Espera! Porque a Lindsay não veio?

David – Não sabemos. Vamos, temos que ser rápidos.

 

Eles disfarçam e correm.

 

[ABERTURA]

 

 

CENA 02 – INT – RISING SUN – RESID. LANCASTER – SALA – MANHÃ

 

Lindsay entrega um lenço A sua mãe e encara o pai.

 

Leonor[Acalmando-se] Edgar, como você pode aparecer para nós? Você morreu.

Edgar – Eu sei! Só não sei como vocês conseguem me ver, mas acho isso bom. Senti saudades de vocês, lá do outro lado, é diferente, algo inexplicável e cruel.

Lindsay – Eu não entendo. Achei que só os Médiuns pudessem ver vocês fantasmas.

Edgar[Sorrindo] Eu também, mas… De alguma forma eu posso voltar ao mundo mortal.

Lindsay – Mas lembre-se que você não está vivo.

 

Edgar tenta pegar o porta-retratos sobre a lareira e o mesmo cai com o passar de sua mão.

 

Edgar – Eu não tive chance, filha. Eu só estava no lugar errado e na hora errada.

Lindsay – Eu sei pai. Queria muito poder tê-lo de volta, mas é impossível.

Edgar[Encarando-a] Mas não é impossível, você punir quem fez isso comigo.

 

Leonor levanta e demonstra surpresa.

 

Leonor[Séria] Não! Eu não a quero envolvida no nosso passado.

Lindsay[Determinada] Mas eu sou o presente mãe, e até que o futuro chegue, eu preciso entender o passado.

Edgar – Falou como uma verdadeira bruxa.

Leonor – Filha, você é pura demais para se meter no que aconteceu. Os culpados já foram punidos.

Edgar – Perder os poderes não é ser punido.

Lindsay – Digam-me quem são os três bruxos que atacou a Liga de vocês, os três que o mataram?

Leonor[Tensa] Edgar, não se atreva.

 

Edgar olha para Leonor e fala com rancor.

 

Edgar – Está na hora de quem fez isso comigo e com nossos amigos pagar.

Leonor – Eu imploro, não fale!

Lindsay[Furiosa] Mãe! Você prefere continuar escondendo de mim? Já escondeu sobre saber que sou uma bruxa, fingiu não saber sobre magia e agora quer esconder quem fez isso com o meu pai?

Leonor – Filha me desculpa. Eu só tentei afastá-la do perigo.

Lindsay – Não mãe. Você só não confiou em mim.

 

Lindsay enxuga as lágrimas e Edgar interfere.

 

Edgar – Se sua vontade é saber quem são eu direi. Mas prometa-me que eles pagarão pelo que fizeram?

Lindsay – Eu prometo.

Leonor – Não!

Edgar – Os três bruxos malditos que me matou e atacou a Liga foram… Molly Brooks, Charlie Johnson e Christian Summer.

 

Lindsay escuta os nomes como navalhas cortantes passando pelos seus tímpanos e fica paralisada. Leonor encara a filha.

 

Leonor – Filha, eu peço que não faça nada contra eles. Você pode…

Lindsay[Séria] Perdoe-me mãe, mas fiquei quieta demais.

 

Lindsay olha para Leonor e usa seus poderes fazendo a mãe cair desmaiada sobre o sofá. Edgar se aproxima do ouvido da filha e sussurra.

 

Edgar – Querida, faça-os pagar por tudo que fizeram e dê a eles o fim que tanto merecem.

Lindsay – Farei e darei.

 

Ela olha para o pai e sai furiosa.

 

 

CORTA PARA…

CENA 03 – EXT – RISING SUN – ESCONDERIJO – MANHÃ

 

Jack termina de desenhar a estrela no chão.

 

David – Bom… Quero que cada um fique em uma das pontas da estrela.

Gina – David, a estrela tem cinco pontas, a Lindsay não está aqui.

David – Eu sei. Com a magia dela a nossa Liga ficaria mais forte, porém… Teremos que tentar sem ela.

Gina – Eu liguei para ela assim que saí do hospital, mas ela não atende. Eu deixei uma mensagem avisando onde estamos.

Ava – Ela deve está bem. Vamos tentar logo com isso.

 

Ava fica em uma ponta da estrela e os amigos nas outras, David mistura o fio de cabelo com as raízes e porções.

 

David – O sangue dos anciões precisa ser derramado nas mãos de vocês. Eu digo mãos, obviamente as duas.

Gina[Enojada] Isso é nojento.

David – Você é uma bruxa e sangue é algo que vamos ter que tocar muito.

Gina – Eu achei que sim.

David – Então, faça logo.

 

Ava derrama o sangue de Dorothea em suas mãos e Jack o sangue de Ian. Gina o de Meredith e David o de Clovis. Gina olha o frasco com o sangue de Louise.

 

Gina – E o da outra?

 

Lindsay entra no esconderijo correndo e Jack observa seus olhos molhados.

 

Lindsay – Desculpa a demora.

Jack – Estava chorando?

Lindsay[Ríspida] Não interessa!

 

Alguns frascos de vidro com raízes explodem e todos ficam assustados. Lindsay percebe e fala se acalmando.

 

Lindsay – Desculpa… Estresse com a minha mãe. O que vamos fazer?

Ava – Os anciões estão…

Lindsay – No hospital, eu sei. A Gina mandou uma mensagem, quero saber o que preciso fazer?

David – Derrame esse sangue em suas mãos e fique em uma das pontas da estrela.

Lindsay – Ok. Preciso dizer alguma palavra?

David – Todos vão citar as palavras. Quero que se concentrem e deixem suas mentes abertas, vamos fazer um feitiço perigoso, tentaremos quebrar o feitiço lançado nos anciões.

Jack – Mas… David, e se o feitiço foi feito por magia negra?

David – Bom… Poderemos sofrer e não conseguir, mas temos que tentar.

Ava – E rápido.

 

Eles se preparam.

 

David – Repitam… “ET FACTUM EST, INFECTUM ESSE SPELL”.

Todos[Conjurando o feitiço] “ET FACTUM EST, INFECTUM ESSE SPELL”.

 

Eles repetem várias vezes. O vento fica bastante forte e todo o esconderijo treme. A estrela desenhada ao chão fica vermelha e o sangue sobre as mãos de ambos borbulha.

 

David – Não parem… Continuem!

 

Eles continuam e a lâmpada pisca várias vezes. De repente tudo fica em silêncio, David abre os olhos e vê seus amigos os encarando.

 

David – Pelo menos tentamos.

Ava – O que vamos fazer?

Gina – Acho que… [Grita] Ah!

 

Gina olha as mãos e as ver queimando. David, Lindsay e Jack também reclamam e apenas Ava continua normal. David enxuga as mãos, mas não adianta.

 

Jack – Magia negra.

Ava – O que eu faço?

David – Ava jogue aquelas raízes sobre um frasco e coloque água, depois conjure… BENEDIC.

 

Ava corre e faz o que David pede. Ela joga a água e conjura o feitiço.

 

Ava[Conjurando] BENEDIC.

 

A água fica bastante limpa. Ela leva o frasco até David.

 

David – Jogue em minhas mãos.

 

Ela o faz e em segundos o sangue sobre as mãos de David escorre. Ele olha para as mãos e ver pequenas queimaduras.

 

David – Lave as mãos dos outros.

Ava – Ok.

 

Ela corre e joga o líquido sobre as mãos dos amigos. David fecha as mãos e conjura em si outro feitiço.

 

David – “MALEDICTUS”.

 

As mãos de David se curam e ele ajuda os amigos. Jack também cura as mãos e fala agitado.

 

Jack – Magia negra! Eu disse que era perigoso.

David – Agora tenho certeza que foram as bruxas que possuíram a Elena, o poder são delas.

Ava – Porque as minhas mãos não queimaram?

David – Não sei, mas… Fique tranquila, pelo menos não sentiu dor.

 

Lindsay fica bastante séria e Ava pergunta preocupada.

 

Ava – Lindsay, você está bem?

Lindsay[Olhando-a] Já falei que não interessa.

Ava – Suas mãos curaram? Posso ver?

Lindsay[Grossa] Não. Sai!

Ava – Lindsay, qual o problema?

Lindsay – Vocês Brooks, sempre se fazendo de bonzinhos, mas eu não acredito na bondade de sua família. Afinal, foram vocês que trouxeram o mal para a cidade.

Ava – Não! Você está sendo indelicada.

Lindsay – Não me importo, eu falo o que quero e essa é a verdade.

 

Ava fica irritada e todo o esconderijo treme. Lindsay a encara e fala cruzando os braços.

 

Lindsay – Não tenho medo de você.

Jack – Lindsay, pode se abrir conosco, o que foi?

Lindsay – O meu pai apareceu para mim.

Ava[Surpresa] O seu também? O que ele disse?

Lindsay – Como assim também?

Ava – O meu pai apareceu para mim também, os fantasmas estão soltos.

Lindsay – Não importa, mas o meu pai me disse quem foram os três bruxos que atacou a Liga dele e o matou.

 

Todos se encaram e David pergunta ansioso.

 

David – E quem foi?

Lindsay – Charlie Johnson, Molly Brooks e o seu maldito tio, Christian Summer.

 

David fica paralisado e Ava também.

 

Ava – Tia Molly?

David – Tio Chris?

Lindsay – E tenha certeza, eles vão pagar. Eu vou acabar com eles.

 

Lindsay fala com os olhos ardendo de raiva.

 

 

CORTA PARA…

 

CENA 04 – INT – RISING SUN – ACAMP. DOS CAÇADORES – CELAS – TARDE

 

Dylan olha o teto de sua Cela e Louis aparece com sua comida.

 

Louis – Dylan trouxe sua ração.

Dylan – Vai para o inferno.

Louis – Não seja arisco.

Dylan – O que você ganha com isso, Louis? Poder?

Louis – Obvio. Quando eu for chefe deste acampamento, irei fazer um trabalho diferente, nada de prender bruxas e sim exterminá-las imediatamente. Têm-se uma coisa que eu detesto mais que você, são bruxas e olha que você é os dois. Ou era.

Dylan – Você é patético. Nunca será chefe deste acampamento e sabe por quê? O Tommy consegue ver que você não é tão capaz para sucedê-lo.

 

Louis joga a comida em Dylan.

 

Louis – Veremos. E não esqueça, o seu julgamento é amanhã e eu estarei lá testemunhando. E sabe o que eu quero? Que você seja punido e morra.

Dylan – E eu espero que você continue babando o Tommy tentando ser o sucessor dele e quebre à cara lá na frente e mesmo morto, eu poderei ri dessa sua cara de imbecil amador. Seu tosco!

 

Louis vai embora e Dylan tira a camisa para se limpar.

 

CORTA PARA…

 

CENA 05 – INT – RISING SUN – RESID. BROOKS – SALA – TARDE

 

Molly abre à porta e vê Christian entrar.

 

Molly – O que foi?

Christian – O Charlie está aqui?

Molly[Tensa] Está dormindo, o que foi?

Christian – Ontem ele me procurou para abrir esta caixa.

Molly[Pegando a caixa] O Cristal da Ava!

Christian – Exatamente, eu vim devolver.

Molly – Espera! O Charlie chegou de madrugada e bêbado, ele estava com a cabeça machucada, foi você?

Christian – Ele queria o poder do Cristal.

Molly – Eu sabia.

Christian – Eu me escondi e ia devolver a Ava, mas não a encontrei, então… Está aqui!

 

Ava aparece e surpreende a todos.

 

Ava – Obrigada, Christian. Conversarei com o Charlie.

 

Jack puxa Charlie pela escada e o joga aos pés de Ava.

 

Ava – Charlie se junte aos seus amigos.

Charlie[Sonolento] O que está acontecendo?

 

Ava olha para ele e o flutua até o sofá. Ela olha para Molly e Christian.

 

Ava – Sentem-se com ele.

Molly – Mas…

Ava[Irritada] Agora!

 

Molly e Christian se sentam e Lindsay, David e Gina aparecem. Ava pega a caixa.

 

Ava – Agradeço a intenção, Christian. Mas… Não é o momento para agradecer e sim, perguntar. Se explicar.

Christian[Confuso] Como assim?

 

Lindsay aperta as mãos e grita furiosa.

 

Lindsay – Já sabemos que vocês três foram os bruxos os quais atacaram a Liga dos nossos pais e por isso, cinco deles morreram. Inclusive o meu pai.

 

David se aproxima chorando e fala com o tio.

 

David – Como pôde tio Chris? Os meus pais, o seu irmão?

Christian – David, eu posso explicar.

Lindsay – Vão explicar. Caso contrário, terão o mesmo fim que deram a eles.

 

Molly, Christian e Charlie se encaram e as lembranças vão surgindo e Molly começa.

 

Molly – Pois bem. Tudo começou quando…

 

[1997 — 17 ANOS ATRÁS]

 

FLASHBACK – EXT – RISING SUN – MANSÃO BROOKS – VARANDA – TARDE

 

Charlie, mais novo que atualmente, bate na porta da mansão e Ashley também mais nova o recebe. Molly, uma mulher com cara de garota, observa tudo da sala de jantar, onde recolhe os pratos.

 

Charlie – Tudo bem com você? Eu vim aqui na sua casa algumas vezes e você não estava. O que está acontecendo?

Ashley – Sinto muito! Mas… Tive algumas coisas pessoais para resolver.

Charlie – Que coisa, Ashley? Você anda me escondendo tudo, somos amigos e sempre fomos. Qual o problema?

 

Ashley enxuga algumas lágrimas.

 

Ashley – Eu não posso te falar agora. É uma coisa muito pessoal.

 

Um carro para em frente à mansão Brooks e Michael desce do mesmo, ele sorri e acena para Ashley, em seguida, vai até onde a mesma está.

 

Michael – Está pronta?

Ashley – Sim.

 

Michael se aproxima de Ashley e lhe dá um beijo. Charlie desvia o olhar e Michael pergunta educadamente.

 

Michael – Como vai, Charlie?

Charlie[Um pouco grosseiro] Tudo Ótimo!

 

Os dois se olham. Ashley vê a expressão no rosto de Charlie mudar.

 

Ashley – Tudo bem?

Charlie[Irritado] Como eu disse ao seu namorado. Tudo ótimo!

 

Michael pega a mão de Ashley e a puxa. Ela vai sendo puxada e olhando Charlie até entrar ao carro e partir. Charlie observa o carro se afastar e se segura para não chorar. Molly abre à porta e pergunta encarando-o.

 

Molly – Tudo bem com você?

Charlie – Acho que sim.

Molly – Não. Não acha, está tentando parecer forte, mas não tem mais jeito.

Charlie – Como eles se conheceram?

Molly – A Liga. Fazem parte da mesma.

Charlie – Essa droga de Liga. Apenas os poderosos da família. Que se exploda!

Molly – Também penso assim. E eles até fizeram o feitiço de conexão. Os dez estão unidos pela magia agora.

Charlie[Interessado] Estão?

Molly – Sim. Odeio isso, eu quem deveria fazer parte da Liga.

Charlie – Também acho Molly. Você é forte e capaz.

Molly – Você acha?

 

Charlie coloca uma das mãos no ombro de Molly.

 

Charlie – Você quer ser reconhecida como uma bruxa poderosa?

Molly – Com toda certeza.

Charlie – Quer que todos lembrem o seu nome, não quer?

Molly – Sim.

Charlie – Eu acabei de ter uma ideia e sei como nos marcar na história das bruxas, Molly. Você topa me ajudar?

 

Molly olha as árvores em sua frente e as nuvens no céu se fecham. Charlie sorri para ela e Molly responde decidida.

 

Molly – Eu aceito!

 

Charlie fura a ponta do dedo de Molly e deixa o sangue pingar sobre a palma da sua mão. Ele fecha os olhos e fala algumas palavras baixinhas.

 

Charlie – Estamos ligados por sangue e alma.

 

Ela sorri e Charlie a encara.

 

 

[—- Atualmente —-]

 

 

CONT. DA CENA 05 – INT – RISING SUN – RESID. BROOKS – SALA – TARDE

 

Molly – Foi mais ou menos isso…

 

Ava encara a tia e Molly não esconde a vergonha.

 

Ava – Então foi assim, tia? Você fez um pacto com ele?

Molly – Eu era jovem e insana, querida. Nunca pensei que o Charlie pudesse fazer um mal tão grande. Nós só queríamos quebrar a Liga, estávamos cegos pela inveja.

Ava – E por essa inveja, causaram dor e sofrimentos aos familiares dos que se foram! Acha que isso ia deixar o seu nome marcado? Você só é lembrada pela sujeira que fez com esse… Lixo.

Charlie – Lixo? Agora pegou pesado.

Lindsay – Cala a boca seu desgraçado.

Charlie[Debochado] Ou o quê? Não tenho medo de morrer, bruxinha.

 

Lindsay olha para o cinto de Christian e ele se desata sozinho, voando para o pescoço de Charlie. Ela o encara e o cinto o sufoca cada vez mais.

 

Molly[Preocupada] Não. Pare!

Ava – Lindsay. Não!

Gina – Amiga, eles até merecem isso, mas não somos iguais a eles.

Lindsay – Nunca serei igual a eles, mas eles merecem o que estou fazendo.

 

Ava se aproxima de Lindsay e fala tentando controla-la.

 

Ava – Pense… Se matá-lo poderá perder seus poderes e toda sua luta contra eles será em vão. Lindsay, você não é suja e nem má. Apenas está cega pela raiva. Acredite em mim. Pare de matá-lo!

 

Lindsay olha para Ava e pisca os olhos. O cinto cai ao chão e Charlie respira ofegante.

 

Charlie – Ela quase… Matou-me.

Lindsay – Ava, você tem razão.

 

Ava sorri e David toma a frente e pergunta com os olhos encharcados.

 

David – E você tio? Como entrou para esse trio repugnante?

 

Christian o encara. E David aguarda uma explicação.

 

 

[— 1997 —]

 

FLASHBACK – EXT – RISING SUN – CENTRO DA CIDADE – PRAÇA – NOITE

 

Charlie paga o seu sorvete e o de Molly, em seguida, vão até um banco onde um rapaz os espera.

 

Molly – Oi Chris. Que bom que veio.

Christian – Porque me chamou com urgência?

Molly – Esse é Charlie Johnson. Um amigo da Ashley e meu agora.

Christian – Ele é mais velho que nós, o que faz conosco?

Charlie – Não sou tão mais velho que vocês, só alguns anos há mais. Mas isso não importa. É um prazer conhecê-lo.

Christian – Admiro a indústria do seu pai. Ele é um homem bastante admirado aqui.

Charlie – Creio que sim.

Christian – Porque resolveram me chamar?

Charlie – Molly me disse que você… Também detesta a ideia da Liga dos bruxos, a qual seu irmão faz parte.

Christian – Detestar? Eu repúdio aquela Liga. Eu não posso fazer parte, porque ele é o mais apto da família a fazer. Foi o escolhido. Ridículo!

Charlie – Vejo que nos entendemos muito bem. Também penso assim.

Christian – Seu irmão também faz parte?

Charlie – Não. Ele ia, mas… Morreu alguns dias antes de se conectar a liga dele.

Christian – Sinto muito!

Charlie – Tudo bem. Eu quero lhe propor algo, Christian.

 

Charlie revela a Christian o seu plano e ele fica apreensivo.

 

Charlie – Aceita?

Christian – Aceito! Mas…

Charlie[Sorrindo] Ótimo!

 

Ele faz o mesmo ritual que fez com Molly e pega o sangue de Christian. Ele o encara.

 

Charlie – Estamos ligados por sangue e alma!

 

 

[— Atualmente—]

 

 

CONT. DA CENA 05 – INT – RISING SUN – RESID. BROOKS – SALA – TARDE

 

David chuta a poltrona e grita.

 

David – Como pôde seu… Egoísta!

Christian – David, eu… Fui levado pela raiva como a Molly falou antes. Éramos jovens.

David – Isso não é desculpa.

Christian – Não fui tão mal assim. Falei para o Charlie esperar sua mãe dar a luz a você. Nós nunca quisemos matá-los.

Molly – David, o plano do Charlie demorou. Até que… Sua mãe te teve. Foi quando tudo aconteceu. Eles estavam na floresta e…

 

 

[—1997—]

 

FLASHBACK – EXT – RISING SUN – FLORESTA – NOITE

 

Ashley e Michael se aproximam e todos estão presentes.

 

Michael – Então, quem nos chamou?

Leonor – Achamos que tinha sido vocês.

Ashley – Não. Eu e o Michael recebemos o aviso e viemos.

Denis – Isso é bastante suspeito.

 

O vento começa a ficar mais forte e todos olham o céu.

 

Raissa – Isso parece ser magia, não?

Michael – E é.

 

As folhas secas no chão voam e todos notam um desenho no mesmo. Um círculo.

 

Michael – Não pode ser. Fomos enganados.

Ashley – Estamos presos!

 

Todos tentam sair, mas o círculo os impede. Do escuro eles escutam uma voz. Charlie fala escondido.

 

Charlie – Vocês não merecem o poder da Liga. São fracos demais para isso.

 

Molly e Christian dão as mãos e Charlie os acompanha no mesmo instante. Os três fecham os olhos e começam a repetir um feitiço sem parar. O chão fumaça bastante e todos começam a sentir uma forte dor no peito e na cabeça.

 

Michael – Ashley?

Ashley – Michael não me deixe morrer.

Michael – Calma. Eu nunca ia deixar isso acontecer.

Ashley – Eu… Acho que estou grávida!

 

Michael fica surpreso e beija Ashley, até que uma forte luz do círculo aumenta bastante. Um som de abafado é ouvido e Charlie olha para os amigos… Ele sorri.

 

Charlie – Conseguimos!

 

 

[—Atualmente—]

 

 

CENA 06 – INT – RISING SUN – RESID. BROOKS – SALA – TARDE

 

Molly enxuga às lágrimas.

 

Molly – Eu me arrependi bastante desde aquele dia. Toda a minha vida foi de ruína.

Lindsay – Meu pai!

 

Gina coloca a mão no ombro de Lindsay.

 

Gina – Nossos pais.

 

Charlie olha para os cinco bruxos e fala agitado.

 

Charlie – Se querem mesmo saber, eu antes não ligava para o que falavam. Passei dez anos preso. Minha família me amaldiçoou e nunca mais os vi, se foram da cidade e nem se quer me avisaram. Eu sofri e hoje eu me arrependo pelo que fiz. De verdade, eu sinto muito. Mas… O tempo passa e eu segui em frente.

Jack – Mesmo sem merecer.

Charlie – Tem razão. Não mereço! Mas… O sofrimento que passei, acho que pagou a divida que eu tinha pelo que fiz, não acham? Foram erros do passado, o qual nunca cometeria novamente.

 

Ava ergue a mão e eles são soltos do sofá. Molly levanta e fala para ela.

 

Molly – Querida, eu ia…

Ava – Tudo bem, tia. Acho que não devo me meter nisso.

 

Michael se aproxima e todos se assustam. Ava o encara e diz para o espirito do pai.

 

Ava – Acho que deve ter ouvido.

Michael – Eu ouvi tudo e vivi tudo. Eles se arrependeram filha e eu sei que se pudessem, voltariam atrás e não fariam isso.

Molly – Tenha toda certeza, Michael.

 

Charlie fica surpreso com o fantasma de Michael em sua frente.

 

Charlie – Minha nossa!

Michael – Não vai tentar me matar, vai Charlie?

Charlie – Não tinha como.

 

Os dois se olham.

 

 CORTA PARA…

 

CENA 07 – INT – RISING SUN – ACAMP. DOS CAÇADORES – CENTRAL – NOITE

 

Tommy olha para os lados e abre a porta de acesso às Celas. Ele se aproxima da cela onde Dylan se encontra.

 

Tommy – É difícil vê-lo nesta situação.

Dylan – Ora, veio para me lembrar de como eu me encontro?

Tommy – Não, filho.

Dylan – Filho? Como pode me chamar de filho?

Tommy – Para mim, você é…

Dylan – Para! É ridículo essa sua atuação. Eu nunca fui um filho para você…

 

Dylan anda de um lado ao outro e contínua falando emocionado.

 

Dylan –… Para mim você é apenas um monstro que mata seres sobrenaturais. Bruxas para ser exato e acha que isso é um bem para o mundo, o qual todo o mal vem de vocês mesmos.

Tommy – Não, Dylan. Você não entende! São proporções que você nunca chegou a ver, situações que nunca passou. Eu sim vi e passei.

Dylan[Encarando-o] Acha certo olhar para um ser igual a você de carne e osso e matá-lo? Acha correto?

Tommy – Eu nunca quis fazer isso.

Dylan – Chega! Você tenta se passar de bonzinho, mas comigo não. Você matou a minha mãe, Tommy. E dizia que a amava.

Tommy – Eu amava a sua mãe. E se quer saber… Eu nunca quis matá-la. Mas tive que fazer para provar que eu não era um traidor. A Traição para os caçadores é como matar alguém da sua própria família. Para eles, se o meu avô fosse um bruxo, eu teria que matá-lo para provar a minha dedicação e esplendor. Eu o amo como um filho e não quero que tenha um fim desmerecido.

Dylan[Surpreso] O quê?

 

Tommy abre a Cela e Dylan o encara chocado.

 

Tommy – Quando eu sair… Fuja para longe, desapareça. Nunca deixe que te vejam.

 

Tommy enxuga algumas lágrimas e coloca uma sacola próxima a porta da Cela. Ele sai e Dylan se aproxima da sacola, ele abre-a e encontra algumas roupas e dinheiro. Dylan fica bastante surpreso, mas consegue pegar a sacola e correr.

 

CORTA PARA

 

CENA 08 – EXT – RISING SUN – RESIDÊNCIA BROOKS – VARANDA – NOITE

 

Ava sai da casa com os amigos e bate à porta. Lindsay parece mais conformada.

 

Lindsay – O meu pai fez a minha cabeça para matar os três, por isso agi daquela forma. Obrigada, Ava, por me fazer lembrar quem eu era naquele instante.

Ava – Tudo bem, não agradeça. Só fiz o certo.

Gina – É… Você é irritante em algumas horas, mas sabe ser uma amiga quando precisa.

Ava – Não sei se foi insulto ou elogio, mas eu agradeço Gina.

Gina – Ok. Até amanhã, amigos.

Ava – Não! Esperem. [Todos a encaram] Precisamos achar um jeito de… Fechar a passagem do outro lado. Digo… O purgatório sobrenatural.

Jack – Verdade, mas… Ava, seu pai terá que ficar preso lá.

Lindsay – Não podemos. Não quero o meu pai preso.

Ava – Lindsay, ele usou você hoje para fazer o mal. De alguma forma, os fantasmas vingadores sempre são os perigosos.

Lindsay – Está dizendo que o meu pai é perigoso demais para ficar neste mundo?

Ava – Não, eu só…

Lindsay – Ava se quer mesmo me vê calma e feliz, deixe tudo como está. Não vou fechar passagem alguma. Boa Noite!

 

Lindsay vai embora e Gina a segue. David olha para a porta da casa de Ava e Christian o observa, ele se vira e vai embora. Jack olha para Ava.

 

Jack – Concordo com você.

Ava – Pelo menos você. Eu sei que é ruim, não verei meu pai. Mas ele morreu e eu preciso deixá-lo ir.

Jack – Exato.

Ava[Tímida] Jack… Eu tenho uma coisa para te dizer.

 

Jack se anima e deixa um sorriso bastante empolgado a mostra. Ava o encara e diz sem graça.

 

Ava – Você me pediu em namoro e eu já tenho uma resposta.

Jack[Ansioso] E qual é?

Ava – Eu aceito namorar você. Eu te amo e estava doida se não aceitasse.

 

Jack a agarra e a beija com muita força. Ele sorri e diz para ela.

 

Jack – Você não sabe o quanto estou feliz.

Ava – Também estou e… Eu te amo! Isso é o que importa.

 

Os dois se beijam.

 

CORTA PARA…

 

CENA 09 – INT – RISING SUN – HOSPITAL – QUARTO 06 – NOITE

 

A porta do quarto se abre e Elena/Bruxas entra. Ela se aproxima da cama e vê a anciã Louise paralisada.

 

Elena/Bruxas – Nossa… Sempre fomos boas em magia.

 

Ela toca o corpo da anciã e suspira. Em seguida olha para a sacola que carrega e tira algumas coisas de dentro.

 

Elena/Bruxas – Vamos lá.

 

Ela pega de um frasco um pó negro e faz uma estrela sob a cama de Louise. Em seguida coloca um líquido verde na boca da anciã e ergue as mãos sobre o corpo da mesma e repete a palavra seguidamente.

 

Elena/Bruxas[Conjurando] “SOLVITUR”

 

O quarto fica frio. Elena/Bruxas pega o galho com o cordão emaranhado e o mesmo flutua em sua frente. O cordão começa há desatar um pouco e ela contínua dizendo a palavra. O vento fica mais forte e a cama treme, ela abre os olhos e os mesmos estão todo preto, ela aperta as mãos e Louise desperta.

 

Elena/Bruxas – Ufa! Estava ficando entediada.

Louise – O que…

Elena/Bruxas – Somos nós. Fique tranquila.

 

Louise respira bem forte e fala olhando a garota.

 

Louise – Pensei que não vinham me tirar deste lugar, estava ficando irritada.

Elena/Bruxas – Eu estava executando minhas tarefas, uma coisa que você mal fez.

Louise – Quer mesmo me enfrentar?

Elena/Bruxas – Não. Nós só estamos ansiosas.

Louise – Temos que sair daqui e ir atrás do corpo do Salazar.

Elena/Bruxas – Sabe ao menos onde encontrar?

Louise – Obvio, eu ajudei a escondê-lo.

 

Louise encara Elena/Bruxas e levanta.

 

Louise[Olhando a cidade pela janela] Não vejo a hora de o Salazar voltar, e comandar este lugar. Antes que seja tarde!

 

Elena/Bruxas faz a estrela no chão desaparecer e segue Louise saindo do quarto, ela olha para trás e a porta se fecha sozinha.

 

—-FIM DO EPISÓDIO—-

Realização:

UNBROKEN PRODUCTIONS

Criado e Escrito por:

MARCOS HENRIQUE

UNBROKEN PRODUCTIONS ORIGINAL SERIES

2015- Story of Witches – Todos os direitos reservados!