CENA 01 – EXT – RISING SUN – BOATE MIDNIGHT/BECO – NOITE

 

A fila de entrada para a boate está dando voltas. Garotos e garotas de vários gêneros e etnias estão aguardando a sua hora de entrar. Um casal sai da boate, o garoto com calça jeans justa, uma camisa branca de mangas longas, sapatos e os cabelos cortados. A menina com um vestido justo, cabelos lisos e compridos da cor preto, com os saltos em uma das mãos e descalça, eles estão abraçados e caminham em direção a um beco.

 

GAROTA – Cadê o seu carro?

 

GAROTO – Calma aí, está mais à frente.

 

GAROTA – Caio, se você veio sem o carro e não quer falar, vou ficar furiosa.

 

CAIO – Espera aí Cecília. O meu pai não é liberal como o seu e com essa história que as bruxas estão falando aí, ele acha perigoso ficarmos por aí.

 

CECÍLIA[Tampando a boca dele] Calado! Não fala alto sobre bruxas, os comuns não sabem que nós somos ou que nossa espécie existe.

 

CAIO – Eu sei. Vamos logo!

 

Eles seguem em frente, mas param ao avistar alguém vindo em meio à escuridão do beco.

 

CAIO – Quem está aí?

 

CECÍLIA – Eu falei que era perigoso vim por aqui.

 

CAIO – Espera!

 

Ele olha para o lado e vê uma pedra. Caio tenta pegá-la, mas ela se move e se afasta.

 

CECÍLIA – O que foi?

 

CAIO[Olhando a escuridão] Magia!

 

CECÍLIA – O quê?

 

Ela agarra o garoto e de repente eles são arrastados para a escuridão sem que alguém os toque.

 

CECÍLIA – Socorro!

 

PESSOA[V.O] Não adianta gritar, ninguém pode ouvir!

 

Cecília e Caio são arrastados e desaparecem em meio à escuridão.

 

CORTA PARA:

 

CENA 02 – INT – RISING SUN – RESID. BROOKS – SALA – MANHÃ

 

Ava desce a escada e se olha ao grande espelho no corredor. Molly está cabisbaixa, sentada na poltrona e olhando o céu pela janela.

 

AVA – Bom dia, tia.

 

MOLLY – Oi, querida. Bom dia!

 

AVA – Está tudo bem?

 

MOLLY – Sim. Eu só… Vai tomar café?

 

AVA – Não. Estou sem fome.

 

Ela passa a mão no cabelo e Molly olha uma marca no pulso da garota.

 

MOLLY[Levantando-se] O que é isso em seu pulso?

 

AVA[Tensa] Nada. Só uma…

 

Molly puxa o braço dela e confirma vendo a marca de perto. A marca é uma estrela com cinco pontas da cor marrom clara, dentro de um círculo, da mesma forma que um pentagrama.

 

MOLLY – Isso é a marca da conexão. Vocês conectaram a liga?

 

AVA – O Jack teve a ideia, ele disse que assim poderíamos usar a magia em conjunto e eu não ficaria a mercê dos ataques do Salazar.

 

MOLLY – Vocês conectados, pode ser bem perigoso. E se for à vontade do Salazar?

 

AVA – Claro que não. Ele não ia nos querer conectados e desta vez é realmente um feitiço de conexão e não como o outro, que na verdade foi plano daquele cretino.

 

Ela mexe em sua bolsa e a fecha.

 

MOLLY – Só me preocupo com você.

 

AVA – Não precisa, estou bem.

 

Ela vai até a mesa da cozinha e pega uma fruta e volta mastigando um pedaço da mesma.

 

AVA – Cadê o Charlie?

 

MOLLY – Eu não sei e nem quero saber.

 

AVA – Brigaram novamente, não foi? Isso não fará bem ao bebê, vocês não se entendem.

 

MOLLY – Eu dei um basta e se ele pensa que serei flexível ele está enganado.

 

A porta é aberta e Jack entra com David.

 

JACK – Bom dia!

 

Ele e Ava se beijam. Molly puxa os braços dos garotos e olham a mesma marca nos pulsos deles.

 

MOLLY – Desta vez parecem mesmo que estão conectados.

 

DAVID – Estamos sim. Mas o foco agora é outro.

 

AVA – Como assim?

 

JACK – Não souberam? O Coven todo está pirando, ontem a noite parece que dois adolescentes sumiram.

 

DAVID – E dizem que não foram os primeiros e que mais três foram sequestrados dias atrás, mas os pais estavam escondendo. Estão todos assustados com a volta do Salazar e acham que é ele quem pegou os garotos.

 

Molly fica assustada.

 

MOLLY – Minha nossa! Estão pegando adolescentes bruxas e vocês devem ter cuidado.

 

JACK – Pois é. Teremos cuidado e agora se um de nós desaparecermos, saberemos onde encontra-lo.

 

Ele mostra a marca da conexão.

 

AVA – Isso mesmo. Mas agora vamos que já estamos atrasados para o colégio. Fica bem, tia.

 

Ela abraça a tia e empurra os garotos.

 

MOLLY – Ok. Tomem cuidado!

 

Ela vai até a porta e acena. Os três entram no carro de Jack e ele acelera.

 

CORTA PARA:

 

CENA 03 – INT – RISING SUN – RESID. THOMPSON – COZINHA – MANHÃ

 

Gina coloca um pouco de cereal em um pote e depois um pouco de leite. Halley está usando uma camisola e se aproxima da garota.

 

HALLEY – Bom dia!

 

GINA – Bom dia!

 

HALLEY – Só tem cereal?

 

GINA – Não. Só que eu não sei e nem gosto de cozinhar, então fique a vontade para fazer e comer o que quiser.

 

HALLEY – Sua mãe vive fora e você sobrevive como?

 

GINA – Minha mãe vive fora trabalhando e me manda dinheiro sempre e com ele eu como, me visto e sobrevivo como posso.

 

HALLEY – Você é uma figura.

 

GINA – Está melhor?

 

HALLEY – Sim. A sorte é que vocês me curaram.

 

Halley olha para a pia e faz um prato, copo e talheres flutuarem até ela.

 

GINA – Você usa magia em tudo. Agora que conectamos a liga, precisamos ter cuidado como usar. [Erguendo a mão] Valeu mesmo, Ava Brooks.

 

Halley pega um pão sobre a mesa e olha para Gina.

 

HALLEY – O Jack gosta mesmo dela, não é?

 

GINA[Colocando o pote na mesa] Olha, não vou mentir. Ele ama a Ava mesmo. E depois que você se foi, o Jack sofreu e só depois que Ava apareceu foi que eu o vi sorrir e agir como antes.

 

HALLEY – Você acha que ele me detesta?

 

GINA – Não. Mas eu sendo você conversaria formalmente com ele, colocava logo um ponto nisso e poderiam se tornar amigos, talvez.

 

Elas escutam a buzina do carro.

 

GINA[Limpando a boca] Eles chegaram. Preciso ir!

 

HALLEY – Que horas você volta?

 

GINA – Se tudo correr bem, antes das duas da tarde.

 

HALLEY – E o que faço até lá?

 

GINA – Não sei. Dê uma volta ou só… Descanse. Tchau!

 

Gina corre e pega a bolsa. Halley olha a porta ser fechada e depois olha o seu prato.

 

 CORTA PARA:

 

CENA 04 – INT – RISING SUN – RESID. LANCASTER – SALA – MANHÃ

 

Lindsay joga o celular dentro da bolsa e Dylan coloca a camisa.

 

LINDSAY[Irritada] O problema é que ele já tentou acabar comigo, lembra?

 

DYLAN – Sim. Mas ele se arrependeu e quer conversar e resolver as coisas.

 

LINDSAY – Não sei se sou tão evoluída assim, Dylan. Perdoar o cara que já me prendeu e quis minha cabeça em uma bandeja?

 

DYLAN – Eu sei que você já passou por um inferno essas últimas semanas e principalmente em dois dias atrás com a perda da sua mãe e eu quero realmente te ver bem, mas o Thommy é como se fosse o meu pai e mesmo com os erros dele, eu o quero em minha vida e ele pretende consertar tudo que já causou.

 

Ela fecha os olhos e Dylan se aproxima.

 

DYLAN – Por favor, Amor.

 

Thommy aparece vindo do corredor, vestindo uma calça moletom preta, camisa da cor creme, óculos escuros e segurando sua bengala.

 

THOMMY – Bom dia!

 

DYLAN – Bom dia, Thommy. Dormiu bem?

 

THOMMY – Sim. E agradeço a você Lindsay por permitir que eu fique e por emprestar as roupas antigas do seu pai.

 

LINDSAY[Com cara feia] Ficaram boas em você.

 

Dylan olha para ela.

 

THOMMY[Aproximando-se dos dois] Eu sei que você deve me odiar pelo que já te fiz no passado, mas quero que saiba que estou arrependido e prometi a mim mesmo que iria consertar os erros que causei. E se você me der à chance de provar me perdoando, já seria um começo.

 

Dylan olha para Lindsay e a garota fica em silêncio por alguns instantes.

 

LINDSAY – Precisaremos conviver, não é? Temos uma pessoa em comum que amamos e se ele quer você na vida dele, eu terei que entender. Mas é difícil para eu ter que esquecer pelo que passei e perdoar é algo sério e eu preciso trabalhar esse meu lado, mas eu no momento só posso desculpá-lo, pois ainda não estou pronta para perdoar.

 

THOMMY – Eu entendo e agradeço por me desculpar.

 

Ele estende a mão direita e Lindsay olha para Dylan que sorri. Ela aperta a mão de Thommy.

 

DYLAN – Fico feliz que estão lhes dando essa chance.

 

THOMMY – Eu também.

 

Lindsay pega a bolsa.

 

LINDSAY – Tudo bem, mas precisamos ir para o colégio.

 

DYLAN – É claro.

 

Dylan entrega o telefone para Thommy.

 

DYLAN – O que precisar é só apertar esse botão que coloquei seu dedo, já tem o meu número e se clicar duas vezes é o da Lindsay e qualquer um dos dois atenderá. E tome cuidado, à tarde iremos ao médico e ele vai analisar seus olhos.

 

THOMMY – Tudo bem. Entendi. Obrigado!

 

Dylan pega sua mochila e Lindsay pega a chave do carro.

 

CORTA PARA:

 

CENA 05 – INT – RISING SUN – CASA ESCONDIDA – QUARTO – MANHÃ

 

O quarto é desgastado e escuro. A madeira na parede está caindo e ao centro tem duas camas de solteiro. Em uma Dorothea está dormindo e na outra está Selena olhando o teto.

 

SELENA – Lugar horroroso.

 

Dorothea acorda.

 

DOROTHEA – Horroroso igual os donos.

 

SELENA – Desculpa Dora. Não quis te acordar.

 

DOROTHEA – Tudo bem, já estava acordada.

 

Selena olha a janela e caminha até ela e pelo lado de fora as raízes cobrem a passagem da luz.

 

SELENA – Acho que não é necessária essa raiz tampando a luz do sol.

 

DOROTHEA – Eu sei o que está fazendo. Você quer mudar o rumo da conversa, sabe que vou falar sobre o feitiço. Não pode conjurar o ÉCHANGE.

 

SELENA – Mas farei. Não tenho escolha, Dora! O miserável se ligou a Halley e se ele morrer, ela morre.

 

DOROTHEA – Podemos pensar em algo. Podemos desconectá-lo.

 

SELENA – Você bem sabe como é difícil desconectar uma alma de outra. Apenas o bruxo que o fez, pode fazer isso.

 

Dorothea se senta.

 

DOROTHEA – Eu só tenho medo que você não sobreviva ao feitiço.

 

SELENA – Não ia fazer diferença mesmo.

 

Ela volta para a sua cama.

 

DOROTHEA – Como assim não ia fazer diferença?

 

SELENA[Olhando aos olhos de Dorothea] Estou morrendo.

 

DOROTHEA – O quê?

 

SELENA – É isso mesmo que ouviu. Não tenho muito tempo de vida!

 

CORTA PARA:

 

CENA 06 – EXT – RISING SUN – HIGH SCHOOL M – CORREDOR – MANHÃ

 

Ava sai do banheiro feminino e Ashley (DISFARÇADA DE NÁDIA) se aproxima dela.

 

ASHLEY/NÁDIA – Olá, Ava.

 

AVA – Oi, professora. Tudo bem?

 

ASHLEY/NÁDIA – Tudo sim. Na verdade, eu quem devia perguntar isso a você. Naquela noite quando aconteceu tudo aquilo, e a morte da mãe da sua amiga, eu nem tive a chance de conversar com você.

 

AVA – Verdade. As coisas acontecem rápido demais, não acha?

 

ASHLEY/NÁDIA – Totalmente.

 

AVA – Algo mais?

 

ASHLEY/NÁDIA – Eu só queria dizer que… Eu sei que você não me conhece direito, mas pode confiar em mim para o que precisar e quando precisar, pois eu me identifiquei muito com você e quero ver o seu bem e nada mais, além disso.

 

AVA – Obrigada, Professora. Fico feliz que tenha se identificado e por incrível que pareça, falei ao Jack que é como se eu já a tivesse conhecido de algum lugar.

 

ASHLEY/NÁDIA[Sorrindo] Que bom. É isso que eu tinha para falar, agora preciso ir, pois tenho aula. Bom dia e até mais!

 

AVA – Igualmente e boa aula para a senhora.

 

ASHLEY/NÁDIA – Não precisa ser tão formal, use você ou Ash… [Pausa] Nádia, chame-me de Nádia.

 

Ela sorri e se afasta rapidamente. Lindsay e Gina saem do banheiro.

 

GINA – O que ela queria?

 

AVA – Nada. Só saber como eu estava depois daquela noite dos corvos.

 

LINDSAY – E eu perdi essa noite.

 

AVA – Porque foi necessário e mesmo assim, foi bom que você e o meu primo se livraram.

 

LINDSAY – Verdade.

 

Elas andam e Ava avista Elena em seu armário.

 

GINA – Não vai falar com ela?

 

AVA – Eu não sei. Ela pediu espaço e eu acho que ela passou por muita coisa, até mais que nós.

 

LINDSAY – Verdade. Mas vocês são melhores amigas e você não devia deixa-la sozinha, mesmo que ela tenha pedido.

 

AVA – Tem razão.

 

Ava caminha até Elena, Gina e Lindsay a aguardam.

 

AVA[Tocando o ombro da amiga] Tudo bem, Elena?

 

ELENA[Virando-se] Oi, Ava. Estou bem sim e você?

 

AVA – Estou em partes, não gosto que nós tenhamos que ficar distantes.

 

ELENA[Olhando em volta] Eu sei e detesto também, mas eu acho melhor. Quando estamos juntas sempre acontece algo ruim e mesmo assim será bom acostumarmos com a distância.

 

AVA[Confusa] Como assim?

 

ELENA – Parece que o destino me ouviu. O papai foi chamado para trabalhar em Nova York em um escritório com alguns amigos, parece que vão iniciar uma sociedade e a mamãe decidiu mesmo ir embora, já que os acontecimentos na cidade afetam também os humanos.

 

AVA[Triste] Você vai embora?

 

ELENA – Não é nada concreto ainda, mas talvez sim.

 

Ava fica em silêncio.

 

ELENA – Você soube dos desaparecimentos? Ninguém sabe que são bruxas e bruxos adolescentes, mas todos acham que seus filhos podem ser levados também e a mamãe teme, ela quer ir. Só vai esperar a decisão do meu pai, se é isso mesmo que ele quer. Sinto muito, mas eu também acho melhor assim.

 

A diretora Fanny chama por Elena e ela olha.

 

ELENA – Nos vemos por aí, falo a você o que os meus pais decidirem. Espero que fique bem.

 

Ela segura seus livros mais firme e caminha. Ava fica olhando ela se afastar e entrar com a diretora Fanny na sala da direção.

 

GINA[Aproximando-se] Pela sua cara não foi bem.

 

AVA – Ela disse que pode ir embora da cidade!

 

LINDSAY – Nossa! Sinto muito.

 

AVA – Eu mais ainda.

 

CORTA PARA:

 

CENA 07 – INT – RISING SUN – LANCHONETE SUN – BALCÃO – MANHÃ

 

James entra e olha Chris cuidando do lugar. Charlie está com a cabeça baixa e olhando a bebida em seu copo.

 

JAMES – Eu sei que já é costume, mas você está terrível hoje, Charlie.

 

CHRIS – Ele está aqui desde que abri, parece que nem dormiu.

 

CHARLIE – Vão se ferrar!

 

JAMES – Calma aí amigo. Como você quer ser um bom exemplo para o seu filho agindo desta forma? Deveria começar a mudar por ele.

 

CHARLIE – Que filho? A Molly me expulsou e disse que teria a criança sozinha.

 

JAMES – Deve ter dito algo que a fez ficar furiosa.

 

CHARLIE – Só disse que não ligava que os anciões estavam mortos e ela ficou irritada.

 

CHRIS[Olhando para os dois] Os anciões estão mortos?

 

JAMES – Por isso o Coven parece manifestado hoje. Os sumiços dos adolescentes e o Salazar causando pavor a todos.

 

CHRIS[Irônico] Parece que Rising Sun nunca terá paz.

 

JAMES – E quando aqui teve paz?

 

CHRIS – Acho que a Ava foi à causadora de tudo, não?

 

JAMES – Não acho. Sabemos que o que aconteceu é porque já estava profetizado graças a vocês sabem o nome.

 

CHARLIE – Não vamos levar essa conversa para o tal Salazar, mudemos um pouco o assunto.

 

Chris coloca o prato de James e serve um suco.

 

JAMES – Obrigado!

 

CHRIS – Soube que a filha da Selena apareceu na cidade e que o Salazar está atrás da mãe dela.

 

JAMES[Surpreso] Ele quer a Suprema?

 

CHRIS – Acho que sim.

 

JAMES – E para quê?

 

CHRIS – A suprema tem uma coisa que todos desejam, a sua magia poderosa, não?

 

James e Charlie olham para ele.

 

CORTA PARA:

 

CENA 08 – INT – RISING SUN – CASA ESCONDIDA – QUARTO – QUASE TARDE

 

Dorothea caminha de um lado para outro com as mãos na cintura e parece desapontada.

 

DOROTHEA – Quando descobriu?

 

SELENA – Algumas semanas atrás. Foi por isso que deixei a Halley em Midlewton.

 

DOROTHEA – Abandonou sua filha para não revelar que estava morrendo?

 

SELENA – Não. Eu a deixei com um bom dinheiro e ela estava com uma pessoa confiável, morávamos todas em uma casa. Ela era minha… Companheira.

 

DOROTHEA – Você não devia ter feito o que fez. A Halley merecia saber o que ia acontecer com você. Ela só ia sofrer sem notícias suas.

 

Selena enxuga as lágrimas.

 

SELENA – Eu pretendo encontra-la. Antes de conjurar o feitiço que ele quer, eu vou atrás dela e me despedir.

 

DOROTHEA – Faça isso! Será bem melhor para a sua filha.

 

Dorothea abraça a mulher.

 

DOROTHEA – Sempre a considerei minha família. Sabe que a tenho como uma sobrinha.

 

SELENA – Obrigada!

 

  CORTA PARA:

 

CENA 09 – EXT – RISING SUN – HIGH SCHOOL M – PÁTIO – TARDE

 

Ava e os outros aguardam Jack ir buscar o carro. Phoebe e os amigos se aproximam deles.

 

PHOEBE – Ora, Ora.

 

AVA – Essa não!

 

GINA[Incomodada] Era só o que faltava.

Phoebe para em frente a eles.

 

PHOEBE – Vejo que estão mais unidos que nunca.

 

GINA – Adivinhou. E desta vez bem unidos.

 

Gina mostra o pulso e eles veem a marca.

 

PABLO – Conectaram a Liga?

 

CARL – Agora usam magia compartilhada, mas não devem ter bastante poder já que a Ava está inútil.

 

AVA – Inútil é você, seu imbecil. [Furiosa] Você só não, os quatro, um bando de ressentidos que se acham os bons, mas seguem alguém que não vale o peso de si.

 

Os olhos de Ava ficam avermelhados, os de Lindsay verdes, os de Gina cinzas e os de David amarelos e Phoebe e os amigos percebem.

 

PHOEBE[Séria] Parece que a garota ficou furiosa.

 

Gina olha para os amigos e percebe a cor nos olhos.

 

GINA – Nos deixem em paz! Ava fica calma. Estamos em público e você fez nos olhos acenderem.

 

Ela olha para os amigos e fecha os olhos respirando fundo e se acalmando. Os olhos deles voltam à cor normal.

 

PHOEBE – Parece chato ter que precisar ou mudar pelos outros, não?

 

LINDSAY – Não seja ridícula. A sua vontade é que a Ava se encaixasse como a quinta bruxa da liga de vocês e aí sim conectariam para usar o poder dela.

 

PABLO[Rindo] E cadê esse poder?

 

Ava olha para eles. Jack se aproxima e passa empurrando Pablo e Carl.

 

JACK[Agindo como se não os visse] O que estão esperando? Vamos logo.

 

Ele coloca o braço em volta do pescoço de Ava e caminha com ela. Os outros vão logo atrás, deixando Phoebe e os seus amigos.

 

PHOEBE – Quero ver essa marra quando descobrirem o que os aguardam. Vamos!

 

 CORTA PARA:

 

CENA 10 – INT – RISING SUN – HOTEL RS – CORREDOR – TARDE

 

Charlie está bêbado e nem consegue abrir a porta de seu quarto. A diretora Fanny passa e abre a porta de seu quarto ao lado, ela olha para ele.

 

FANNY – Precisa de ajuda?

 

CHARLIE[Sem olhar para ela] Não. Eu consigo!

 

FANNY[Insistindo] Me dê à chave.

 

Ele se vira e quando a olha fica sério.

 

CHARLIE[Entregando a chave] Aproveite e entre comigo.

 

FANNY[Rindo] Acho melhor você ficar com seu banho e sua cama.

 

CHARLIE – Sou Charlie Johnson.

 

FANNY – Prazer, Charlie. Sou a Fanny Mendel.

 

Ele beija a mão dela. Ela abre a porta e o ajuda a entrar.

 

CHARLIE[Falando enrolado] Você parece um anjo.

 

Ela o coloca sentado na cama.

 

FANNY – Não. Não me chamaria assim.

 

Ela toca na cabeça dele e fecha os olhos do mesmo e o deita. A mulher abre os olhos e sorrindo o cobre com o cobertor.

 

FANNY – Tenha uma boa soneca.

 

  CORTA PARA:

 

CENA 11 – INT – RISING SUN – RESID. BROOKS – QUARTO (AVA) – TARDE

 

Ava entra e joga sua bolsa na cama e seu sapato sob ela. Ela olha para a janela e avista Halley em pé olhando a rua.

 

AVA[Surpresa] O que faz aqui?

 

HALLEY – Sua tia me deixou entrar, me apresentei e ela disse ser uma grande conhecida da minha mãe, o que não me surpreende.

 

AVA – Sim. Mas o que quer aqui?

 

HALLEY – Vim conversar com você, oras.

 

AVA – Sobre?

 

HALLEY – Quero saber se você ama mesmo o Jack? Se o ama da mesma forma que ele ama você.

 

AVA – E porque isso interessa a você?

 

HALLEY – Porque se vou abrir mão dele, quero saber se você realmente o manterá firme.

 

Ava sorri e Halley olha séria para ela.

 

AVA – Eu o amo sim, mas realmente isso não interessa a você. E mesmo se eu não o amasse como ele me ama, acha que teria alguma chance com ele?

 

Halley se aproxima dela.

 

HALLEY – Totalmente. Ele falou pra você que eu fui à primeira garota dele? E que ele foi o meu? Olhando você posso considerar que nunca se quer teve um momento a sós com ele ou com ninguém.

 

AVA[Irritada] Vai embora daqui. Eu não preciso que você me fale coisas que não importam mais, afinal o Jack disse com todas as letras que não teria nada com você e que nem se importava com a sua volta.

 

HALLEY[Debochada] Veremos Ava. Eu estava disposta a abrir mão dele, mas agora vou provar a você que o Jack é tão meu quanto seu.

 

Halley olha de cima a baixo e sai. Ava aperta as mãos e bate a porta irritada.

 

CORTA PARA:

 

CENA 12 – INT – RISING SUN – CASA ESCONDIDA – SALA – TARDE

 

Selena e Dorothea descem a escada e encontram Louise sorrindo com Salazar.

 

DOROTHEA – Qual o motivo para toda essa comemoração?

 

LOUISE – Saberá logo.

 

SELENA – Então, para que nos chamou?

 

Salazar caminha até ela e parece contente.

 

SALAZAR – Disse tudo que precisaria para fazer o ÉCHANGE e falei que já tinha o corpo. Quando vamos fazer?

 

Selena olha para Dorothea.

 

SELENA – Na próxima lua nova.

 

LOUISE – Ótimo, é amanhã à noite.

 

Dorothea e Louise se encaram. Salazar rodeia Selena.

 

SALAZAR – Então faremos amanhã, correto?

 

SELENA – É o planejado.

 

SALAZAR – Ótimo!

 

Dorothea anda um pouco mais a frente.

 

DOROTHEA – Não me respondeu antes. Qual o corpo usará?

 

Salazar olha para ela.

 

SALAZAR – Não é da sua conta, mas irei lhe mostrar.

 

Ele gira a mão e uma gaiola aparece ao seu lado, estava oculta. Um corpo está dentro, um homem, amarrado e com um lenço em sua boca.

 

DOROTHEA[Surpresa] Você usará o Chris?

 

Salazar sorri e olha para Christian que está dentro da gaiola.

 

SALAZAR – Fiz o teste mais cedo e não perceberam que eu era ele, consegui me transmutar por alguns minutos e não perceberam que o Chris era eu todo o momento. Então preciso que achem que estou distante, quando na verdade, estarei mais próximo que nunca.

 

Chris olha assustado para ele.

 

 

  –FIM DO EPISÓDIO–

Criado e Escrito por:

MARCOS H.

 

Produzido por:

UNBROKEN PRODUCTIONS.

 

Unbroken Productions Original Séries.

2016 – Story Of Witches – Segunda Temporada – Todos os direitos Reservados.